Informações Regionais Centro Sul

APRESENTAÇÃO

DO OBSERVATÓRIO

imag-centro-sulO Observatório Sebrae/RJ é uma iniciativa em parceria com o IETS (Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade) baseada na sistematização, no monitoramento, na análise e na disseminação de informações ligadas ao ambiente dos pequenos negócios do Estado. Por meio de estudos e pesquisas setoriais e regionais, o Observatório busca ser um difusor de informações e de diagnósticos relevantes para a estratégia do Sebrae/RJ e para a tomada de decisões dos empresários e empreendedores.

Análises detalhadas de dados oficiais e parcerias com outras entidades e especialistas proporcionam resultados cada vez mais apurados sobre as dimensões do desenvolvimento do Rio de Janeiro com ênfase nos pequenos negócios. Geração de conhecimento que auxilia na gestão e elaboração de projetos e programas, reafirmando nosso compromisso com o estímulo à competitividade e ao desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios do Estado.

SUMÁRIO (índice referente ao documento completo)

PAINÉIS REGIONAIS, O QUE SÃO?                                                                              05


1. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS                                                                       05


2. MERCADO DE TRABALHO                                                                                         07


3. CARACTERÍSTICAS DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS                                 10


4. DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS   13


OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PAINEL REGIONAL

CENTRO SUL

mapa-centro-sul

PAINÉIS REGIONAIS, O QUE SÃO?

 

Os painéis regionais visam dar um panorama socioeconômico e acompanhar a situação das micro e pequenas empresas (MPE) nas regiões do Estado do Rio de Janeiro.

O objetivo é lançar um olhar mais detalhado sobre as características destas regiões e dos municípios que as compõem.

A estrutura do painel regional é formada por quatro blocos de indicadores divididos em: (1) Indicadores Socioeconômicos, (2) Mercado de Trabalho, (3) Características das Micro e Pequenas Empresas e (4) Desenvolvimento Institucional das Micro e Pequenas Empresas.

1. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS

tabBaixada-lA região Centro-Sul possui 11 municípios e abarca 1,7% da população do Estado, sendo a menor região em termos populacionais. Sua população urbana é a terceira menor do Estado, superior à do Noroeste (82,6%) e da Serrana I (79,5%).

Em comparação com as regiões do Estado, o Centro-Sul ocupa a 8ª posição na classificação da renda domiciliar per capita, superior às regiões Noroeste e Baixada Fluminense.

A região possui o 2º PIB mais baixo do Estado, sendo que o menor encontra-se na região Noroeste.

.

.

.

.

.

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS POR MUNICÍPIOS: CENTRO-SUL, 2010

tabCentroSul2

TAXA MÉDIA DE CRESCIMENTO ANUAL POPULACIONAL ENTRE 2000 E 2010 (%): CENTRO-SUL

tabCentroSul

Entre os municípios do Centro-Sul, Três Rios é o município mais populoso e com o maior PIB da região. O município possui a segunda maior renda domiciliar per capita, atrás apenas de Miguel Pereira. Os municípios com a maior desigualdade na distribuição de renda, medida pelo coeficiente de Gini, são Miguel Pereira e Paty do Alferes. Eles ocupam, respectivamente, a 81ª e a 88ª posição no ranking estadual. Rio das Flores, São José do Vale do Rio Preto, Paraíba do Sul e Areal são os municípios com os maiores índices de pobreza da região.

Chama atenção a elevada taxa média de crescimento anual do PIB, entre 1999 e 2009, de Rio das Flores, que é a terceira maior do Estado, atrás de Porto Real e São João da Barra.

Verificou-se um grande salto no PIB deste município que passou de R$ 39.252.000, em 2002, para R$ 146.277.000, no ano seguinte.

Areal é o município da região com a maior taxa média de crescimento populacional entre 2000 e 2010.

Acima da taxa média de crescimento anual do Centro-Sul (0,7%) estão: Três Rios, Engenheiro Paulo de Frontin, Paraíba do Sul, Rio das Flores e Areal. Estes dois últimos municípios foram os únicos que apresentaram crescimento superior à média do Estado.

Sapucaia é o município com menor crescimento populacional no período.

Para acessar o documento completo, clique aqui.