Informações Regionais Noroeste

APRESENTAÇÃO

DO OBSERVATÓRIO

imag-NoroesteO Observatório Sebrae/RJ é uma iniciativa em parceria com o IETS (Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade) baseada na sistematização, no monitoramento, na análise e na disseminação de informações ligadas ao ambiente dos pequenos negócios do Estado. Por meio de estudos e pesquisas setoriais e regionais, o Observatório busca ser um difusor de informações e de diagnósticos relevantes para a estratégia do Sebrae/RJ e para a tomada de decisões dos empresários e empreendedores.

Análises detalhadas de dados oficiais e parcerias com outras entidades e especialistas proporcionam resultados cada vez mais apurados sobre as dimensões do desenvolvimento do Rio de Janeiro com ênfase nos pequenos negócios. Geração de conhecimento que auxilia na gestão e elaboração de projetos e programas, reafirmando nosso compromisso com o estímulo à competitividade e ao desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios do Estado.

SUMÁRIO (índice referente ao documento completo)

PAINÉIS REGIONAIS, O QUE SÃO?                                                                           05


1. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS                                                                    05


 

2. MERCADO DE TRABALHO                                                                                       07


 

3. CARACTERÍSTICAS DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS                               10


 

4. DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 13


OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
PAINEL REGIONAL

NOROESTE

mapa-Noroeste

PAINÉIS REGIONAIS, O QUE SÃO?

Os painéis regionais visam dar um panorama socioeconômico e acompanhar a situação das micro e pequenas empresas (MPE) nas regiões do Estado do Rio de Janeiro.

O objetivo é lançar um olhar mais detalhado sobre as características destas regiões e dos municípios que as compõem.

A estrutura do painel regional é formada por quatro blocos de indicadores divididos em: (1) Indicadores Socioeconômicos, (2) Mercado de Trabalho, (3) Características das Micro e Pequenas Empresas e (4) Desenvolvimento Institucional das Micro e Pequenas Empresas.

1. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS

A população da região Noroeste corresponde a 2% do total do Estado. Sua população é superior apenas à da região Centro-Sul (1,7%). Além disso, possui o 2º menor percentual de população urbana (82,6%) entre as regiões, à frente da Serrana I (79,5%).

A região Noroeste apresenta a 2ª menor renda domiciliar per capita do Estado (R$ 616), superior apenas à da Baixada Fluminense (R$ 544,6). Seu percentual de pobres (32,3%) é superior à média do Estado do Rio de Janeiro (26%) e o nível de pobreza se aproxima das regiões Norte (32,4%) e Centro-Sul (32,3%), sendo inferior ao da Baixada Fluminense (33,7%).

Possui o menor PIB do Estado (0,95%), bem próximo ao da região Centro-Sul (1,2%). Em relação à taxa média de crescimento do PIB, entre 1999 e 2009, a região ocupa a 8ª posição, com uma taxa de 1,6%, ficando à frente do Leste Fluminense (1,4%) e da cidade do Rio de Janeiro (1%), e bem próxima da Serrana I e Centro-Sul, ambas com uma taxa de 2%.

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS POR MUNICÍPIOS: NOROESTE, 2010

TAXA MÉDIA DE CRESCIMENTO ANUAL POPULACIONAL ENTRE 2000 E 2010 (%): NOROESTE

Itaperuna, Santo Antônio de Pádua e Bom Jesus do Itabapoana são os municípios com as maiores populações da região. Junto com Natividade, possuem os maiores valores de renda domiciliar per capita. Em Itaperuna, encontra-se o menor percentual de pobres (26,2%) e o maior PIB da região (32º no ranking estadual).

No ranking estadual, São José de Ubá possui o menor PIB (R$ 73.778), o segundo maior percentual de pobres (48,8%) e a terceira menor renda domiciliar per capita (R$ 390). Além disso, é o município menos populoso da região (7.003).

Varre-Sai é o município com a maior taxa de crescimento do PIB entre 1999 e 2009 (4,3%), seguido de Porciúncula (3,3%). Miracema obteve uma taxa negativa de -0,1%.

As regiões Noroeste e Serrana I apresentaram as menores taxas de crescimento populacional entre 2000 e 2010, ambas com 0,6%.

Aperibé (2,4%) e Varre-Sai (1,9%) possuíram as maiores taxas, superiores inclusive à taxa do ERJ (1,1%).

Natividade e Itaocara não apresentaram crescimento populacional, enquanto Miracema (-0,1%) e Laje do Muriaé (-0,5%) diminuíram sua população no período analisado.

Para acessar o documento completo, clique aqui.