Informações Regionais Serrana I

APRESENTAÇÃO

DO OBSERVATÓRIO

imag-SerranaIO Observatório Sebrae/RJ é uma iniciativa em parceria com o IETS (Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade) baseada na sistematização, no monitoramento, na análise e na disseminação de informações ligadas ao ambiente dos pequenos negócios do Estado. Por meio de estudos e pesquisas setoriais e regionais, o Observatório busca ser um difusor de informações e de diagnósticos relevantes para a estratégia do Sebrae/RJ e para a tomada de decisões dos empresários e empreendedores.

Análises detalhadas de dados oficiais e parcerias com outras entidades e especialistas proporcionam resultados cada vez mais apurados sobre as dimensões do desenvolvimento do Rio de Janeiro com ênfase nos pequenos negócios. Geração de conhecimento que auxilia na gestão e elaboração de projetos e programas, reafirmando nosso compromisso com o estímulo à competitividade e ao desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios do Estado.

SUMÁRIO (índice referente ao documento completo)

PAINÉIS REGIONAIS, O QUE SÃO?                                                                                   05


1. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS                                                                            05


2. MERCADO DE TRABALHO                                                                                              07


3. CARACTERÍSTICAS DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS                                       10


4. DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS         13


OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PAINEL REGIONAL

SERRANA I

mapa-SerranaI

PAINÉIS REGIONAIS, O QUE SÃO?

Os painéis regionais visam dar um panorama socioeconômico e acompanhar a situação das micro e pequenas empresas (MPE) nas regiões do Estado do Rio de Janeiro.

O objetivo é lançar um olhar mais detalhado sobre as características destas regiões e dos municípios que as compõem.

A estrutura do painel regional é formada por quatro blocos de indicadores divididos em: (1) Indicadores Socioeconômicos, (2) Mercado de Trabalho, (3) Características das Micro e Pequenas Empresas e (4) Desenvolvimento Institucional das Micro e Pequenas Empresas.

1. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS

tab-SerranaIA região Serrana I compreende 2,4% da população do Estado do Rio de Janeiro, superior apenas ao percentual das regiões Noroeste (2,0%) e Centro-Sul (1,7%). A participação das mulheres e dos jovens na população total é menor do que na média do ERJ. Além disso, é a região que apresenta a menor taxa de urbanização, com quase 20% da população vivendo na área rural.

O percentual de pobres da região Serrana I é de 25,3%, semelhante ao da região Serrana II e acima do percentual das regiões do Médio Paraíba (24,3%), Leste Fluminense (23,4%) e Rio de Janeiro (20,9%).

Entre as regiões do ERJ, a região apresenta o terceiro menor coeficiente de Gini (0,515), superior ao do Noroeste (0,514) e da Baixada Fluminense (0,490).

Em relação ao PIB de 2010, a Serrana I contribuiu com 1,5% do PIB do Estado do Rio de Janeiro, o que corresponde ao terceiro menor entre as regiões. Abaixo da Serrana I, estão o Centro-Sul, com 1,2% do PIB estadual, e o Noroeste, com 0,9%.

.

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS: SERRANA I, 2010

tab-SerranaI1

TAXA MÉDIA DE CRESCIMENTO ANUAL POPULACIONAL ENTRE 2000 E 2010(%): SERRANA I

tab-SerranaI2

Nova Friburgo é o município com o maior destaque da região Serrana I. Além de ser o mais populoso, com 48% da população da região, sua renda domiciliar per capita é a mais alta da região (e a oitava mais alta do Estado). O município tem menor percentual de pobres da região (16,8%) e o segundo menor do Estado. O PIB de 2010 de Nova Friburgo foi o mais alto da região, porém sua taxa de crescimento do PIB entre 1999 e 2009 ficou entre as mais baixas. Além disso, Nova Friburgo exerce influência sobre o desenvolvimento dos outros municípios com suas atividades industriais, de comércio e turismo e é o centro do Polo de Moda Íntima da região.

Cachoeiras de Macacu é o segundo maior município em termos populacionais, apresenta o segundo PIB mais alto da região e a maior taxa de crescimento do PIB entre 1999 e 2009 em relação aos municípios da região. Os municípios menos populosos da região são Macuco e São Sebastião do Alto. Este último possui a menor renda domiciliar per capita (R$ 418) e o segundo maior percentual de pobres (41,6%), atrás apenas de Trajano de Moraes (43,3%). Macuco apresentou o PIB mais baixo da Serrana I e o terceiro pior PIB do Estado.

Na região Serrana I, Carmo é o município com maior taxa média de crescimento populacional entre 2000 e 2010. Em seguida, estão os municípios de Bom Jardim e Cachoeiras de Macacu, com taxas bem próximas da encontrada na média do Estado do Rio de Janeiro.

Cantagalo obteve taxa de crescimento zero, ou seja, sua população permaneceu estável no período. Santa Maria Madalena diminuiu sua população entre 2000 e 2010.

Para acessar o documento completo, clique aqui.